0
Antonio Carlos Costa
DevocionalTeologia

A MISSÃO DA IGREJA É AMAR

By 15 de maio de 2014 No Comments

IMG_3771

"O principal é…" (Mc 12:29).

Cristo ensina a existência de uma hierarquia de valores morais. Os mandamentos não têm o mesmo peso. Nenhum deve ser negligenciado, porque ao homem cabe submeter-se sem reservas àquele que o criou; mas nem todos os pecados são igualmente odiosos e repulsivos a Deus. 

Quando Cristo é indagado sobre o que está acima de tudo na lei moral, responde deixando evidente que o pressuposto da pergunta estava corretíssimo. Há aquilo que transcende o resto. O que Deus espera especialmente encontrar no homem, como manifestação do caráter essencial do Criador na vida daquele que foi feito à sua imagem.

Nada está acima do amor. O amor é o que dá coesão à virtude, gerando harmonia entre suas expressões. É ele que concede espontaneidade ao comportamento, desneurotizando a obediência. Sem amor, desempenho religioso algum agradará ao Deus que está preocupado tanto com o que fazemos quanto com o que somos. 

A missão da igreja é amar. O amor vem antes da grande comissão. Antecede ao chamado da igreja para pregar o evangelho, que com absoluta certeza é expressão de compaixão sempre presente na vida daquele que ama e crê.

Afirmar que antes de chamar a igreja para pregar, Deus a convoca para o exercício do amor, é de fundamental importância para a correção daquele tipo de espiritualidade que resume a vida e missão do cristão e da igreja no mundo ao ato de pregar o evangelho para o que não o conhece. Isso tem feito com que igrejas inteiras neguem os princípios mais elementares do amor em nome de uma dedicação exclusiva a algo que, ser for real, levará o convertido a fazer muito mais do que evangelizar.

Imagino esse amor sussurando nos nossos ouvidos o que devemos fazer por aquele que a providência divina põe em nosso caminho. Ele pode dizer: 

"Pregue o evangelho para essa pessoa, porque viver sem Cristo é muito triste".

"Leve cesta básica para a sua casa, a fome tem pressa e um estômago vazio não tem interesse em metafísica". 

"Ajude-a a investir em si mesma e crescer como ser humano, a fim de que ela coma do pão com o suor do seu rosto, deixando assim de depender da misericórdia incerta da sociedade e do Estado".

"Ame essa pessoa de modo político, a cesta básica resolve seu problema imediato, mas não a introduz na verdadeira cidadania, livrando-a das amarras das estruturas sociais da maldade e da antivida. Lembre-se que ser bom escravocrata é inferior a lutar pela libertação dos escravos".

Quem nos fez esquecer de amar desse modo? O que nos levou a negligenciar o mais importante? Por quê mutilar o amor?

Antonio Carlos Costa

Antonio Carlos Costa

Teólogo, jornalista e ativista social. Plantador da Igreja Presbiteriana da Barra (Rio de Janeiro) e fundador da ONG Rio de Paz. Nascido no Rio de Janeiro em 1962. Casado com Adriany. Pai de três filhos: Pedro, Matheus e Alyssa.

Leave a Reply