Teologia

A ORIGEM DIVINO-PESSOAL DO HOMEM

By 6 de janeiro de 2009 One Comment

1407792043_758eb9af95_m
A antropologia
bíblica parte da firme pressuposição de que o homem é precioso para o seu
Criador. Toda a ética cristã está estribada nessa verdade. O homem não pode ser
explorado em razão do valor da sua vida aos olhos de Deus. Aqui entra o
conceito de dignidade da vida humana. O homem é possuidor de uma dignidade
intrínseca em razão da sua origem. Sua origem é divina. E mais, a Bíblia o
apresenta como portador da imagem e semelhança de Deus. Na verdade, o conceito
de dignidade da vida humana não está alicerçado tão somente no fato de o homem
ter sido criado por Deus. As formigas são criaturas de Deus. O que ganha
destaque na antropologia cristã é o fato de que o ser humano foi criado segundo
um modelo. Ele é o único ser acerca do qual se diz nas Escrituras que foi
formado segundo um padrão pré-definido baseado na existência concreta de um
outro ser. A saber, o próprio Deus.

O
homem possui características divinas. Esse aspecto essencial da antropologia
bíblica não resulta da tentativa dos seres humanos de  criar um Deus à sua imagem e semelhança, tornando Deus uma
projeção humana perfeita. A Bíblia apresenta Deus dizendo essa verdade ao
homem: “em se conhecendo você me conhece,
pois foste criado à minha imagem. Olhe para dentro de você e saberás em parte
quem eu sou”.

A
natureza humana é a chave para entendermos a origem da vida. Nenhuma teoria
evolucionista anti-teísta foi capaz de demonstrar como a dimensão pessoal do
que existe pôde ser originada pela dimensão impessoal. Como uma energia sem ego
pôde fazer surgir seres que pensam, amam e agem. Os três primeiros capítulos de
Gênesis são a única resposta intelectualmente satisfatória para entendermos a
existência humana. Os pássaros demandam uma explicação. Queremos saber de onde
surgiu o colorido da sua plumagem, a graciosidade do seu movimento e a beleza
do seu canto. Mas, os homens também demandam uma explicação. Que ser é esse que
tem consciência de si mesmo, relativiza seu instinto de sobrevivência quando
sua consciência exige que ele corra riscos para salvar seu semelhante, faz
poemas, chora quando enterra alguém que ama e carece visceralmente de um
universo que lhe faça sentido? Como explicar o fato de que o comportamento de
parte da criação é determinado de modo tão implacável pelos seus instintos que
se conhecermos o seu habitat hoje saberemos como esse mesmo habitat foi há 2000
anos, enquanto uma outra parte dessa mesma criação cria aquilo que é chamado de
cultura e interage de uma tal forma com a sua espécie que grande parte da vida
que viveu no passado é irreconhecível no presente. Em outras palavras, o homem
constrói socialmente uma realidade para si a fim de que possa viver.

O
cristianismo olha para tudo isso e diz que a resposta está na origem
divino-pessoal da raça humana. O Deus relacional do cristianismo criou seres
gregários, incapazes de viver sem se relacionar. A Trindade nos ajuda a
entender todo o horror que a solidão nos causa. O Deus pensante do cristianismo
criou seres que têm consciência de si mesmos e do mundo que os cerca. O fato de
Deus ser luz (ter vida intelectual perfeita) nos ajuda a entender porque
abominamos as trevas de ignorância. O Deus soberano e poderoso do cristianismo
criou seres capazes de agir livremente. O fato de Deus ser um Deus que age nos
ajuda a entender porque não temos prazer em ficar confinados a uma cama.

Extraído do livro: Ansiedade: Quando o Homem Duvida do Caráter de Deus

Antonio Carlos Costa

Antonio Carlos Costa

Teólogo, jornalista e ativista social. Plantador da Igreja Presbiteriana da Barra (Rio de Janeiro) e fundador da ONG Rio de Paz. Nascido no Rio de Janeiro em 1962. Casado com Adriany. Pai de três filhos: Pedro, Matheus e Alyssa.

One Comment

  • Fátima NEVES disse:

    Antônio, sou membro da IPB a quase 5 anos. Aprendi a amar a Cristo e a entender o Cristianismo através de suas pregações e dos inúmeros livros que venho lendo desde então. Seus textos são profundos e nos dá o único sentido para nossa existência,pois estão estribados no Deus que a Bíblia revela.Que maravilha poder fazer parte de uma Igreja que tem como pastor um homem como você. Que Deus o proteja e continue a falar através de sua vida. Fique com JESUS. Um abraço, Fátima.

Leave a Reply