Política

O LADO SANTO DA POLÍTICA

By 24 de janeiro de 2009 No Comments

Images
Acabei de reler o livro Política, do grande pensador político calvinista Johannes Althusius (1557-1638). Uma ótima introdução aos princípios gerais da organização e manutenção do Estado. Por que ele escreveu sobre o tema? A razão deveu-se ao fato de que Althusius via a política como algo sagrado. Veja o seu ponto de vista:

"A política é a arte de reunir os homens para estabelecer vida social comum, cultivá-la e conservá-la… o tema da política é, portanto a associação, nas qual os simbióticos (aqueles que vivem juntos), por intermédio de pacto explícito ou tácito, se obrigam entre si à comunicação mútua daquilo que é necessário e útil para o exercício harmonico da vida social… o fim do homem político "simbiótico" é a simbiose santa, justa, proveitosa e feliz, e uma vida para a qual não falte nada de necessário ou de útil".

Nos meus estudos sobre política, que pude fazer nesse período de férias, mais uma vez deparei-me com o fato de que os cristãos calvinistas do século XVI não separavam cristianismo de política. Foram os verdadeiros arautos da democracia. Eles lutavam por uma igreja santa, mas sabiam que um Estado bem gerido poderia criar condições úteis para uma "vida santa com toda a piedade e respeito".

A nossa alienação política resulta de uma péssima interpretação bíblica, desconhecimento histórico e falta de sabedoria. Não há nada na escatologia bíblica que nos autorize a entregar esse mundo para o acaso enquanto aguardamos a redenção. Não há verdadeira antropologia bíblica que nos conduza a, de tão pessimistas que nos tornamos quanto a natureza humana, nos esquecer do poder transformador e purificador da graça comum. Tanto Lutero quanto Calvino estiveram profundamente envolvidos com as questões políticas do seu tempo. Certamente, caso estivessem em nosso lugar, não deixariam tantos pobres ser assassinados (entre os quais muitos evangélicos) no Rio de Janeiro sem oferecerem resistência. 

É estupidez (sem mencionar falta de amor) elevada ao cubo nos mantermos alienados da vida política quando sabemos que, bons governos salvam vidas e maus governos matam. O nosso pecado torna-se maior porque vivemos numa democracia. Com toda a liberdade e caminhos legais estabelecidos para erguermos a voz contra o não cumprimento da constituição federal.

Esse ano não vou deixar de bater sistematicamente na tecla da ética pública, tencionado assim, levar a igreja a responder a seguinte pergunta: como os cristãos devem se relacionar com as questões de natureza político-social? 
Antonio Carlos Costa

Antonio Carlos Costa

Teólogo, jornalista e ativista social. Plantador da Igreja Presbiteriana da Barra (Rio de Janeiro) e fundador da ONG Rio de Paz. Nascido no Rio de Janeiro em 1962. Casado com Adriany. Pai de três filhos: Pedro, Matheus e Alyssa.

Leave a Reply