Teologia

O POTENCIAL HUMANO PARA A DOR E A MISERICÓRDIA DIVINA

By 14 de janeiro de 2009 No Comments

2604951424_f571403a74_m
Cristo apresenta
Deus cuidando dos pássaros que não semeiam, não colhem e nem  ajuntam em celeiros.
Porém, apresenta Deus cuidando de modo mais especial ainda do homem. Uma coisa
é um pássaro sentir fome, outra coisa um homem. Quanto mais excelente uma
criatura é maior sua possibilidade de experimentar uma felicidade mais extensa.
Uma é a alegria dos gatos, outra é a alegria dos anjos. Meu cão labrador dá-se
por satisfeito quando o levamos para sair na rua. Já o seu dono não se satisfaz
nem com o universo inteiro. O que levou Agostinho a pedir a Deus: “Dá-me a ti mesmo, pois sem ti ainda que me
desses tudo quanto fizestes, os meus desejos não ficariam satisfeitos”.

Porém, quanto mais excelente uma criatura é maior a sua possibilidade de
experimentar uma dor mais extensa. Um é o sofrimento de um porco, outro é o
sofrimento de um anjo. Porcos lançam-se no desfiladeiro e morrem para fugir da
presença de demônios, demônios entram em porcos para fugirem do desespero de
serem lançados no desfiladeiro.

 Dei
essa volta toda para tão somente dizer que em razão dessa glória que a raça
humana carrega, capaz de experimentar da alegria dos anjos e do sofrimento que
os cães não conhecem nem de longe, que Cristo afirma que o Deus que cuida dos
pardais haverá de cuidar muita mais ainda daqueles em cuja vida o Criador contempla
a si mesmo. Para Cristo o valor da vida humana é algo tão arraigado no coração
de Deus que nenhum homem viveria ansioso se soubesse o que Deus pensa a seu
respeito. 

Antonio Carlos Costa

Antonio Carlos Costa

Teólogo, jornalista e ativista social. Plantador da Igreja Presbiteriana da Barra (Rio de Janeiro) e fundador da ONG Rio de Paz. Nascido no Rio de Janeiro em 1962. Casado com Adriany. Pai de três filhos: Pedro, Matheus e Alyssa.

Leave a Reply